30/09/2021 às 16h38min - Atualizada em 01/10/2021 às 00h00min

5 fatos sobre o câncer de mama que toda mulher precisa saber  

Exames como ultrassom de mamas e mamografia são fundamentais para a detecção da doença, que é o segundo tipo de câncer que mais atinge as mulheres em todo o mundo

SALA DA NOTÍCIA Uapê Comunicação

Câncer de mama é o segundo tipo que mais mata mulheres no Brasil, ficando atrás apenas dos cânceres de pele do tipo não melanoma. Segundo informações da Fiocruz, quando descoberta no início, a doença tem 95% de chance de cura. “Esse prognóstico é um acalanto para nós, mulheres, porque os tratamentos estão cada dia mais avançados. Porém, é preciso que o acesso aos exames, como ultrassonografia mamária e mamografia, sejam universalizados”, diz a Dra. Mariana Rosario, mastologista com especialização pelo Instituto Europeu de Oncologia, com sede em Milão.

Dra. Mariana Rosario, que também é ginecologista e obstetra, membro do corpo clínico do hospital Albert Einstein, em São Paulo, listou cinco importantes fatos sobre o câncer de mama que toda mulher precisa saber:

1 – O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres em todo o mundo – e também no Brasil – sem contar os cânceres de pele não melanoma. É, também, o tipo de câncer que mais mata mulheres em todo o mundo.

2 – O câncer de mama pode ser hereditário ou ocasional. Assim, mulheres que não têm parentes com a doença também podem ser acometidas por elas.

3 – No Brasil, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) recomendam a mamografia anual para as mulheres a partir dos 40 anos de idade, visando ao diagnóstico precoce e a redução da mortalidade. Tal medida difere das recomendações atuais do Ministério da Saúde, que preconiza o rastreamento bianual, a partir dos 50 anos, excluindo dos programas de rastreamento uma faixa importante da população (mulheres entre 40-49 anos), responsável por cerca de 15-20% dos casos de câncer de mama. Quando há casos de câncer de mama na família, a situação muda: as mulheres precisam ser investigadas dez anos antes da idade em que apareceu o câncer em sua parente. Para que se entenda melhor, se sua mãe, tia ou irmã teve câncer de mama aos 30 anos, você deverá fazer mamografia a partir dos 20 anos.

4 – O autoexame não substitui exames como a ultrassonografia mamária e a mamografia. Na palpação, quando uma paciente percebe um nódulo, ele já tem tamanho considerado grande para o tratamento inicial. Já os exames de imagem conseguem diagnosticar microcalcificações e nódulos bem pequenos, permitindo maiores chances de sucesso no tratamento.

5 – O que ajuda na prevenção do câncer de mama é o estilo de vida adotado – e não exames. Para que se entenda melhor, exames são formas de se diagnosticar doenças – por isso, são importantíssimos e indispensáveis. No caso do câncer de mama, quanto mais cedo a doença é diagnosticada, maior é a chance de o tratamento levar à cura da paciente. Mas, realizar exames não significa que uma mulher não desenvolverá a doença. Já o estilo de vida pode interferir no desenvolvimento do câncer de mama. Mulheres que fumam, são obesas, usam álcool em excesso e fazem terapia de reposição hormonal por tempo prolongado têm mais chance de desenvolver a doença. Portanto, adotar boa alimentação, controlar o peso e praticar atividades físicas regulares, mantendo-se longe do cigarro e do álcool, podem ajudar na prevenção da doença.

Para abordar o assunto com propriedade, a mastologista Mariana Rosario está à disposição da imprensa. Ela tem especialização pelo IEO – Instituto Europeu de Oncologia, em Milão, na Itália, um dos mais renomados do mundo, e pode falar sobre os temas mais atuais, como a polêmica das cirurgias em casos metastásicos, a redução dos efeitos colaterais da quimio e radioterapia, a terapia alvo, e o aumento da sobrevida das pacientes em estádio IV da doença, além, é claro, do alerta para a prevenção.

 

Sobre a Dra. Mariana Rosario

Formada pela Faculdade de Medicina do ABC, em Santo André (SP), em 2006, a Dra. Mariana Rosario possui os títulos de especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia pela AMB – Associação Médica Brasileira, e estágio em Mastologia pelo IEO – Instituto Europeu de Oncologia, de Milão, Itália, um dos mais renomados do mundo. É membro da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP) e especialista em Longevidade pela ABMAE – Associação Brasileira de Medicina Antienvelhecimento. É médica cadastrada para trabalhar com implantes hormonais pela ELMECO, do professor Elcimar Coutinho, um dos maiores especialistas no assunto. É membro do corpo clínico do Hospital Albert Einstein.

Possui vasta experiência em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia, tanto em Clínica Médica como em Cirurgia Oncoplástica. Realiza cursos e workshops de Saúde da Mulher, bem como trabalhos voluntários de preparação de gestantes, orientação de adolescentes e prevenção de DST´s. Participou de inúmeros trabalhos ligados à saúde feminina nas mais variadas fases da vida e atua ativamente em programas que visam ao aprimoramento científico. Atualiza-se por meio da participação em cursos, seminários e congressos nacionais e internacionais e produz conteúdo científico para produções acadêmicas.

Dra. Mariana Rosario – Ginecologista, Obstetra e Mastologista. CRM- SP: 127087. RQE Masto: 42874. RQE GO: 71979.

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp