Catalão Online Notícias Publicidade 1200x300
31/08/2022 às 14h13min - Atualizada em 31/08/2022 às 14h13min

MP de Goiás obtém liminar para proibir telemarketing abusivo das operadoras de telefone

Ligações publicitárias devem ser precedidas, a partir de agora, pelo consentimento prévio do cliente

Mais Goiás
Divulgação

A 4ª Vara Cível de Goiânia concedeu liminar, a pedido do promotor Goiamilton Antônio Machado, que proíbe operadoras de telefone de praticar telemarketing abusivo.

A partir de agora, as empresas Claro, Oi, Telefônica-Vivo e Tim estão proibidas de: 1) praticar telemarketing ativo de oferta de produtos e serviços por ligações telefônicas pessoais ou robochamadas (robocalls), ou mensagens eletrônicas de caráter publicitário aos consumidores, salvo seu consentimento prévio, livre e expresso; 2) praticar telemarketing ativo de oferta de produtos e serviços aos consumidores por ligações telefônicas pessoais, robochamadas (robocalls) ou mensagens eletrônicas, fora do horário 9 e 21 horas, de segunda a sexta-feira, e aos sábados entre 10 e 16 horas, salvo seu consentimento prévio, livre e expresso.

As empresas ainda estão obrigadas a facultar e oferecer aos consumidores meios adequados para solicitar, no mesmo contato, por ligações pessoais, robochamadas (robocalls) ou mensagens eletrônicas, o bloqueio imediato de sua linha telefônica para serviços de telemarketing.
 

Por fim foi fixado o prazo de dez dias para que as acionadas comprovem o cumprimento das determinações, sob pena de multa diária no valor de R$ 100 mil, limitada a 30 dias, em caso de descumprimento.

Ligações e mensagens indesejadas configuram prática abusiva reprovável

Ao decidir, o juiz Pedro Ricardo Brendolan reconheceu que o excesso de ligações e mensagens indesejadas, especialmente após solicitação do consumidor para que cessem, configura prática abusiva reprovável. Ele considerou as provas contidas no inquérito civil público instaurado pelo promotor de Justiça que demonstrou a persistência das operadoras, mesmo após manifestação de desinteresse dos consumidores, configurando seu desrespeito ao violar os direitos garantidos em lei.

“Nota-se pelas reclamações anexadas aos autos a recorrente menção ao excesso de ligações e mensagens de texto, feitas de forma contínua e insistente, em todos os períodos do dia, seja, em dias de descanso, seja durante sua jornada de trabalho, o que toma tempo e gera desgaste, irritação e sensação de impotência aos consumidores”, pontuou o magistrado.
 

Ainda de acordo com a liminar, essa situação afronta os direitos do consumidor, em especial contra o previsto na Resolução nº 632/2014 da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em seu artigo 3º, inciso XVIII, o qual dispõe que os usuários de serviços de mensagens têm direito ao não recebimento de conteúdos de cunho publicitário em seu telefone móvel, salvo consentimento prévio, livre e expresso.

O promotor de Justiça esclareceu que os fatos que levaram à propositura da ação no início de julho deste ano são de domínio público e de notório conhecimento da sociedade, uma vez que “dificilmente se encontra alguém que não tenha tido aborrecimentos com as ofertas e cobranças abusivas das operadoras de serviço de telecomunicações, via de ligações pessoais ou digitais (robochamadas), ou mensagens eletrônicas”, afirma.

 

Catalão Online Notícias Publicidade 750x90

 

 

Para Goiamilton Antônio Machado, são condutas abusivas que desrespeitam os consumidores e deixam a coletividade sem saber mais a quem recorrer. No mérito da ação, é solicitado que as empresas sejam condenadas ao pagamento de indenização no valor de R$ 10 mil a cada consumidor que demonstrar ter sido vítima de quaisquer das condutas proibidas às operadoras, a partir da data de decisão favorável. Por fim, é pedida a condenação das operadoras, igual e individualmente, ao pagamento de indenização por dano moral coletivo, no valor de R$ 1 milhão.


Link
Comentários »
Catalão Online Notícias Publicidade 1200x300
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp